3 de janeiro de 2021

Maria Corisca

Meus queridos! E já estamos no dia 3 de Janeiro deste ano 2021, que entrou de uma forma tão diferente, mas que bem pode chamar-se o ano da Esperança, porque o pessimismo não leva a lado nenhum. Não se viram grandes ajuntamentos, o fogo-de-artifício foi coisa tímida e contida, por aqui e por ali, … mas para iniciar o novo ano, houve muito mais convívios em família, coisa que também estava faltando, devido à onda galopante da comercialização de tudo… Se 2020 se foi sem deixar saudades, é preciso também dizer que foi um ano de muito trabalho e onde se viu que para se sobreviver é preciso ir às profundezas buscar forças a sítios onde parece que elas não existem…. Foi isso mesmo que aconteceu em 2020, onde a ciência e a investigação fez o milagre de descobrir a vacina mais rápida da história… Ainda em 2020, viu-se a força dos profissionais de saúde, dos polícias, dos bombeiros e de tantos outros que andaram na linha da frente e que não podem ser embrulhados na tentação de esquecer “o ano que acabou há três dias”. Agora com este 2021 já nascido, é tempo de remar contra esta maré que não vai vazar assim tão depressa e aprender a viver de forma diferente, mas com a mesma coragem. Por mim, e enquanto o simpatiquérrimo director do jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio quiser, aqui estarei com os meus recadinhos com amor, que os leitores todos os Domingos esperam… Para todos aqui deixo os votos de um bom 2021!

Ricos! A semana passada foi marcada, um pouco por toda a Europa e também no rectângulo e cá pelas ilhas, com a chegada do início da vacinação contra o “bichinho 19” que atremoçou, e de que maneira o ano 2020. Não há duvida que a chegada da vacina é um bom augúrio, mas foi miserável o espectáculo que foi feito nas televisões, mostrando os primeiros contemplados com a vacina, com a ministra da Saúde assistindo “com cara de pedinte” à vacinação… como diz a minha comadre Genoveva… que parecia implorar que a vacinassem… Como sempre, os políticos não resistiram à recolha de dividendos, como só eles sabem fazer, embora por cá, manda a verdade que se diga que foram bem mais comedidos do que lá para os lados do rectângulo. Isso para não falar na pouca-vergonha da guerra lá para os lados de Évora entre a GNR e a PSP  para saber quem tinha poderes, por causa das competências  para o “passeio da fama” no transporte das vacinas ao seu destino… Diz a minha prima Genoveva que o pilim que se gastou em guardas de honra e acompanhamentos policiais daria para fazer montes de coisas que tanta falta fazem.” Não está em causa a segurança que deve ser feita, o que não se percebe é o “ciúme” entre as forças de segurança…Claro que todo o cuidado é pouco porque lá para os lados dos States do “Trumpismo”, um profissional de saúde estragou, de propósito mais de meio milhar de vacinas… Mas a minha comadre Genoveva diz que em Portugal nunca chegaria a haver pelas vacinas… as tentações que houve por pôr as mãos às armas de Tancos…!

Meus queridos! E já que estou a falar de vacinas, ainda quero dizer que não entendi o afã e a necessidade de tantas cabecinhas pensadoras que andam a criticar o Governo Regional por ainda não saber as quantidades e a calendarização da aplicação das mesmas. Numa coisa que depende do que vier a acontecer a nível europeu e nacional e que só agora está a começar, como queriam que aqui fosse tudo definido ao milímetro… como se de uma rotina se tratasse? Quando a oposição de agora chamou o novel secretário da Saúde a responder em Comissão parlamentar sobre isto, a minha prima Teresinha perguntou logo se não se lembravam que ainda há dois meses, a vacina da gripe que já tem anos de uso e prática, nem deu para as encomendas, esgotou nas farmácias e nos Centros de Saúde, e os candidatos lá inscritos com datas marcadas para a vacinação foram avisados da desmarcação da tomada da vacina… Conheço muitos que ainda estão à espera que o Centro de Saúde lhes comunique se já fizeram a reorganização que anunciaram para suspender a vacinação… mas, logo lhes vou dizendo quando disso me falam, … que a vacina da gripe agora… só por um canudo… E acrescento que é pena que não consigam a proeza da candidata presidencial Ana Gomes que mandou vir de França a vacina para se precaver da gripe… Daí que não perceba a razão de agora exigirem calendários e quererem tudo certinho e direitinho! Isso é que se chama  uma dose de coerência, não é?

Meus queridos! A minha prima da Rua do Poço já marcou no seu calendário, com letras bem gordas, o dia 15 de Fevereiro deste ano 2021, para naquela segunda-feira, logo de manhã, ir ver o início das obras de demolição das Galerias da Calheta, conforme a agenda traçada pela minha querida presidente Maria José e publicamente já aceite pelos concessionários dos espaços que vão ser devolvidos ao usufruto público. É que, tanto ela como todos os que durante anos levam com aquele mamarracho na vista, todos os dias, só acreditam mesmo quando virem os caterpillars em acção. E mesmo assim ela pensa que ainda podem inventar mais uma manobra para adiar a coisa. Resta saber ainda quanto tempo durarão as novas vedações que vão separar os espaços reservados às construções… Realmente o que Ponta Delgada está a precisar é de mais um hotel, depois de tantos às moscas com a pandemia e os anos que isto vai levar a recompor-se… Mas no meio disto tudo, a minha prima fez questão de me pedir para mandar um ternurento beijinho à presidente Maria José que, muito justamente, entrou na galeria dos 10 Mais, do jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio…

Meus queridos! No meio deste turbilhão de coisas que nos vão tirando do sério, há sempre alguma notícia que nos faz rir… Esta que ouvi há dias, num outro país qualquer daria era para chorar, pois nem se imagina que noutro lugar que não seja em terras lusas uma autoridade, neste caso a GNR confesse que “há um casamento que dura há mais de dez dias e não há meios de acabar com a festa que junta dezenas e dezenas de pessoas”. Claro que nem é preciso dizer quem promove casamentos que duram tantos dias, mas isto dá para ver a incapacidade que há em fazer com que a lei seja para todos, maiorias e minorias… Razão teve uma vizinha da minha prima Jardelina que quando ouviu a notícia disse logo… “Se não conseguem acabar com um casamento que dura há dez dias, como é que vão conseguir acabar com alguns que duram há anos e nunca deviam ter começado?”…

Meus queridos! Muito gostei de ler no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio que foi lançada na semana passada a primeira pedra para a chamada “Casa do Bom Jesus”, na freguesia de São Mateus, da Ilha Montanha, onde vai ser feito o Museu que ficará ligado ao Santuário do Bom Jesus Milagroso, e onde peregrinos e turistas poderão ver e interagir com a história daquele culto, conhecer o tesouro da imagem e também fazer memória do último Bispo açoriano do Oriente, D. Arquimínio da Costa que doou os seus pertences àquele santuário. E lembrei-me de há quantos, mas quantos anos, se fala num museu-roteiro do Santo Cristo, em Ponta Delgada, e vão sempre aparecendo outras prioridades e vai ficando para calendas gregas, com um património e tesouro que bem podia ser rentabilizado para que o pilim daí resultante fosse aplicado em causas sociais… Depois das vezes que já falei nisto aqui nos meus recadinhos, eu acho que já estarei mortinha da silva quando alguém resolver desatar este velho nó…


 

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima